Tag: Raul Teixeira

Deus e a Lei

Nenhum Comentário

15 de fevereiro de 2014 at 22:36Categoria:Artigo

Título: Deus e a Lei
Autor: José Raul Teixeira
Texto extraído do Livro Cintilações das Estrelas, pelo Espírito Camilo (Niterói, RJ: FRÁTER, 1992. p.91-82).


 

É indeclinável a dinâmica das Leis de Deus junto à Sua criação formidável.

Dilatam-se bênçãos de progresso para os reinos inferiores da Vida a se desenvolverem nas faixas do mineral, do vegetal, do irracional, do homem até alçarem-se aos páramos da Angelização.

Em parte alguma dos chamados reinos inferiores encontram-se desequilíbrios, o que demonstra a grandeza do Senhor do Universo, em face dos objetivos da existência dos seres sobre o mundo terrestre.

Do átomo ao cristal, nas múltiplas etapas, vê-se a Divina Presença a exercer domínio sobre a forma rude, representada pelo princípio inteligente na manutenção do equilíbrio atrativo, coesivo, até adentrar na fase vegetal.

Dos primórdios fítológicos aos vegetais superiores, eis que o Criador se mostra pelo mesmo agente espiritual em desenvolvimento, inaugura a função autotrófica, na elaboração dos clorofilados e dos carotenóides [tipos de insetos], a se emanciparem, gradualmente, demandando outros níveis.

Nas linhas da evolução animal, desde os protozoários ao metazoário mais avançado no reino, desatrelam-se os instintos, como a bagagem dos inumeráveis aprendizados e conquistas a se expressarem dentro dos parâmetros da inteligência rudimentar. Locomovem-se, defendem-se, nutrem-se, procuram-se para os rituais da procriação da forma, avançando o princípio espiritual para seus destinos à frente.

Inauguram-se as bases do pensamento contínuo, da razão, a partir do que o princípio espiritual, após milenários períodos, atinge a postura do Espírito humano, dotado, agora, dos recursos do raciocínio.

Aparece, assim, o Ser Humano, portando a capacidade de conhecer e entender a Deus, conscientemente, ao longo da sua rota de progressos fecundos.

O livre arbítrio torna-se a coroa da evolução conquistada pelo Espírito, sem que tenha alcançado os estágios derradeiros, seguindo adiante para os reinos superiores ao humano, mais próximos da Divindade, servindo ao bem em toda parte.

E segue o homem na sua caminhada para o Seu Senhor…

Do determinismo ao livre arbítrio, tudo se amplia sob os Céus, elevando o Espírito imortal para os cimos da Vida cósmica.

O homem, como o ser mais complexo da planeta, reflete as Leis da Divindade, quando age no bem, quando serve e ama, tanto quanto dá mostras de antagonismo às Leis Sublimes à medida que se junge aos atos e fatos da maldade, da ignorância, da rebeldia…

Enquanto o homem conhecer os códigos divinos, a se exprimirem em si mesmo, iluminando-Ihe a consciência, e persistir no equívoco, no despautério, no desequilíbrio, deverá sofrer até que se reintegre na pauta do amor.

Quando um violino está desafinado em suas emissões sonoras, dever-se-á distender-Ihe as cordas, até que emita o som perfeito e encantador.

O homem, nesse particular, assemelha-se a um instrumento desafinado, mas que foi elaborado para a perfeição. Enquanto se mantém em desarmonia com a Vida, despedindo sonidos enfermiços, sofre e pena, distendidas as cordas de sua alma, até que, reintegrado aos ensinos de Deus, apresente a harmonia em si mesmo, afinado, a emitir para o Universo as notas felizes que o farão, desde aí, decantar as Glórias do Senhor, marchando na pauta das Suas Leis.

Deus se manifesta no mundo através da sua perfeita legislação. Cabe ao indivíduo humano assenhorear-se dela e passar a viver em consonância com os seus preceitos, a fim de que reflita a sublime grandeza do Criador.